Vida profissional: Sem dor, sem ganho.

Fique Bem,Motivação

Faz pouco tempo que para a maioria dos profissionais, uma carreira de sucesso significava começar a trabalhar muito jovem – quase sempre antes dos 18 anos, ir recebendo promoções que representavam o crescimento  profissional, fazer história na empresa, ser reconhecido pelo tempo de casa e preferencialmente, se aposentar na empresa que havia sido o primeiro emprego. Essa visão foi perseguida por muito tempo por vários profissionais.

Mas, e aí, será que continua assim. O que exatamente mudou?

Hoje o imediatismo e dinamismo do mundo e consequentemente das relações, vem mudando o perfil do profissional. O desejo de acumular experiências diferenciadas e a falta de persistência e paciência são algumas das dificuldades encontradas hoje no mundo corporativo na busca de excelentes profissionais. Essa imprevisibilidade afeta tanto a produção de resultados individuais do profissional quanto os da empresa. Afinal gera insegurança, instabilidade e alta rotatividade.

Verdade que o  ser humano, independente do momento profissional que esteja, afirma que deseja obter sucesso na vida pessoal e profissional. Mas quantos que realmente estão dispostos a pagar o preço?

Crescer nos negócios, ganhar dinheiro, conquistar poder e reconhecimento são objetivos a alcançar. Todo mundo quer ir pro paraíso, mas ninguém quer morrer!

Com base nesta frase, reflito sobre o quanto existem profissionais que se acomodam ao longo da vida profissional, enquanto outros não conseguem aguardar o tempo suficiente para começar a colher frutos do seu trabalho. Plantamos em uma estação e colhemos em outra. Horas de voo significam horas de prática.

Não estou afirmando que um profissional inexperiente não seja competente ou capacitado. Refiro-me às escolhas que são necessárias para que se alcance os objetivos desejados. Nem todos estão dispostos a manter o foco e  acabam por acreditar que estariam se sacrificando pela carreira. Atualmente o ser humano evita qualquer tipo de sofrimento. Parece até que escolher se dedicar ao alcance de um objetivo é sacrificar-se. Afirmo, não existem sacrifícios, apenas escolhas. O desafio está em fazer escolhas conscientes. Quando se está consciente das escolhas feitas, entendemos que não estamos nos sacrificando, e sim colocando foco naquilo que é importante alcançar. Tudo o que você colocar foco acabará crescendo!Foque no que é importante!

Muitas vezes é mais fácil culpar outros, governo, clima,enfim, encontrar desculpas que justifiquem o fracasso. Porém, são poucos os que assumem a responsabilidade sobre as suas ações. Chamo isso de vitimização. Agora, será que aquele que é visto como vencedor, como pessoa de sucesso se faz de vítima diante de situações desafiadoras? Certamente não.

Torço para que o mundo corporativo, ou seja profissionais e empresários, estejam dispostos a refletir e agir com consciência no alcance dos objetivos. E que cada um esteja disposto a pagar o preço para a concretização dos mesmos. Afinal, para ir pro “paraíso” é preciso fazer a sua parte, ou seja ser um “bom menino!”




Comentários